Relato de um Intercambista é o novo quadro interativo da nossa página onde VOCÊ, nossos amigos e seguidores  poderão compartilhar um pouco de suas experiências com intercâmbio de todos os lugares do MUNDO, através do e-mail contato@decasaprafora.com. Com a hashtag #DeForaPraCasa você pode ter acesso as informações trazidas do exterior direto para cá, com visões totalmente amplas e diferentes da que temos de nosso país!

E o nosso primeiro entrevistado veio do México! Seu nome é Jorge Daniel Nava Chavez, de 21 anos e ao final do seu intercâmbio terá completado 1 mês e 3 semanas no Brasil, na cidade de Sorocaba- SP. Seu relato foi traduzido diretamente do Espanhol.

  • Fale um pouco sobre você e seus sonhos.

“Sou um estudante de Comércio Internacional na Universidade de Guanajuato, no México. Meu projeto de vida profissional é terminando a faculdade, viver na Ásia por muito tempo, pois quero incrementar meu potencial no idioma Japonês e me dedicar a importação e exportação com a Ásia, já que vejo um mercado forte e muitas oportunidades entre México e Ásia em um curto prazo. Mas a minha meta de vida é ser feliz acima de tudo e me conhecer cada vez mais a ponto de encontrar um nível de espiritualidade bom, ter uma família e compartilhar minha felicidade com as pessoas que amo.”

  • Por que decidiu fazer intercâmbio? E por que você escolheu o Brasil?

“Decidi fazê-lo porque nasceu um interesse muito forte em mim há uns meses sobre conhecer mais a fundo a cultura brasileira, mas sobretudo o IDIOMA. E porque uns amigos já haviam vindo no ano passado e me apresentaram o lugar como algo muito atrativo, então não pensei duas vezes.”

  • Quais meios utilizou para realizar esse intercâmbio?

“Arrecadei fundos mediante patrocínios de instituições privadas e públicas, além de fazer algumas economias antes da visita ao Brasil.”

  • Como foi o processo até a chegada ao Brasil?

“Foi um projeto oferecido pela instituição AIESEC, onde fiz uma solicitação de ingresso a um dos programas oferecidos, neste caso em Sorocaba, Brasil. É o projeto SHIFT – para uma educação de melhor qualidade, que consiste em dar aulas de espanhol às crianças e compartilhar informações sobre a minha cultura com elas. Ao ser aceito, a organização oferece a diferentes pessoas da cidade a opção de adotar algum estrangeiro pelas 6 semanas que estará no Brasil, e neste caso dois estudantes me hospedaram. O período foi bom, divertido e pude aprender coisas muito boas e melhorar meu português.”

  • O que você já esperava e o que te surpreendeu da cultura brasileira?

“Me surpreendeu muito como as pessoas são calorosas aqui, ao mesmo tempo que todo mundo te recebe sempre com algo. Me surpreendeu a confiança que existe entre as pessoas, inclusive mesmo que não conheçam, podem ter uma conversa muito divertida.”

  • Quais lugares você conheceu no Brasil? E qual você mais gostou?

“Mongaguá, Sorocaba e em breve Rio de Janeiro, que acredito que será o lugar que mais irei gostar.”

  • Fale alguma situação engraçada que ocorreu com você no Brasil.

“Algo que aconteceu recentemente foi que eu queria fazer uma reclamação no terminal de ônibus sobre um ônibus que não quis parar no ponto. Então falei com uma mulher, e eu queria explicar que queria fazer uma reclamação mas ela achava que era uma reportagem para televisão já que para nós um “reporte” é uma reclamação, e depois do nervosismo, acabou sendo algo engraçado para mim.”

  • Você achou o Brasil um lugar barato para intercâmbio?

“Não, para mim é realmente caro, pois minha moeda é o peso mexicano que tem um valor de 5,51 pesos aproximadamente para cada real. É uma diferença considerável.”

Imagem de: brazilmodal

  • De quanto mais ou menos foi o investimento no intercâmbio? (Alimentação, viagens, compras, etc).

“R$2.000,00 com a passagem aérea e R$3.500,00 com os demais gastos.”

 

 

 

  • Fale alguns pontos positivos e negativos do Brasil em relação ao seu país de origem.

“Existe uma organização muito boa que sinceramente no México faz falta, mas a comida me pareceu muito monótona e pouco saudável às vezes, comer farinha (massa) diariamente não é muito bom.”

  • O que você acha que o Brasil tem em comum com o México?

“Gente amável, calorosa e a comida, como: arroz e feijão.”

  • Quais idiomas você fala? Você teve dificuldades em se comunicar em português?

“Falo espanhol, inglês e estudo português e japonês. E  a princípio tive problemas para entender, porque as pessoas aqui falam muito rápido.”

  •  Você voltaria ao Brasil?

“Sim, voltarei muito em breve! Pois eu gostaria de fazer “práticas profissionais”- como estágio obrigatório aqui no Brasil – ou algum intercâmbio de Universidade.”

  • Qual dica você daria se um amigo seu viesse para o Brasil?

“Que economize muito, prepare as coisas com antecedência e que tenha aulas de português previamente. Que esteja aberto ao bom tratamento dos brasileiros e que valorize muito a qualidade das pessoas aqui.”

  • Fale um pouco sobre o seu país de origem e porquê as pessoas deveriam visitá-lo.

“Atualmente vivo e nasci em San Miguel de Allende, Guanajuato – México. E sinceramente sobram os motivos pelo qual deve-se fazer uma viagem para lá. Nestes últimos dias foi nomeada como a cidade mais bonita do mundo para viajar, e é um dos destinos turísticos mais reconhecidos a nível mundial, já que é uma cidade colonial e conta com uma cultura e história muito peculiar. O que eu não gosto é como tem aumentado a delinquência e o narcotráfico nos últimos meses, mas apesar das inconveniências e problemas sociais, não afetam os visitantes que podem levar uma recordação inesquecível!”.